Boas Festas!!

Anúncios

Fotografar apenas ou arriscar alguns takes com DSLR?

Quando recebi minha nova máquina nas mãos, veio a dúvida: vou fotografar somente ou arriscar alguns filmes?

A polêmica é grande, mas acredito que é muito similar a polêmica gerada com a chegada das máquinas digitais em um mundo de rolo de filme… Existe a resistência ao novo, a crítica ao fato de unir dois tipos de mídias em um só  equipamento. Mas no final o que resta é a evolução da arte e a facilidade de trabalhar a imagem de formas diferentes.

Fiz minha estreia em filmar eventos e, pra falar a verdade, aprendi que ainda tenho muito que aprender! Além, é claro, de vislumbrar a necessidade de novos equipamentos e periféricos para esta nova empreitada…

Filmar com uma DSLR não é fácil: assim como fotografar em modo manual, a filmagem exige o controle de abertura e a exposição correta para capturar com definição a imagem desejada. Também o foco não é tão simples quanto em uma filmadora padrão, pois o tempo todo existe a preocupação de encontrar o foco correto, a exata profundidade de campo e a estabilidade da máquina.

Mas filmar com este novo equipamento é quase tão bom quanto fotografar…É o registro fotográfico com movimento, literalmente, o que torna este novo horizonte tão estimulante e desafiador!

Se você tem uma DSLR e se aventura no mundo dos filmes, comente, conte suas experiências, compartilhe! Vamos conversar mais sobre isso em novos posts.

Bons cliques!

Fotografando ação e movimento… e agora?

Quando pensamos em fotografar ação e movimento sempre lembramos da velocidade do obturador… porém não é só isso que importa para fazer belos registros de ação congelada ou ainda, o que é mais difícil, mostrar o movimento na imagem sem transformá-la em algo “borrado e sem fundamento”.

Encontrei um artigo bem interessante sobre este tema e retirei dele alguns trechos e dicas preciosas. O autor, Luciano de Sampaio, explica muito bem as técnicas e truques para captar este tipo de imagem. Leia abaixo e deixe seu comentário!

“Esportes, crianças e diversas outras situações exigem preparo, atenção e dedo rápido do fotógrafo.

Equipamento

Em poucas áreas da fotografia o equipamento é tão crítico quanto na fotografia de ação. Apesar de ser possível conseguir bons resultados com uma câmera compacta, certamente uma dSLR oferece uma gama de possibilidades mais apropriada para uma empreitada dessas.

Compactas: com uma câmera sem ajustes manuais, o ideal é trabalhar com o modo de cena para esportes. Dessa forma, o sistema da própria câmera regula velocidade, abertura e foco para obter as imagens desejadas. Um dos grandes problemas em se utilizar uma câmera point-and-shoot para fotografar movimentos é a limitação da lente. Apesar de algumas câmeras mais avançadas oferecerem uma aproximação considerável através do zoom ótico, a maioria das compactas depende do zoom digital. Uma outra dificuldade das compactas é o lapso de tempo entre a pressão no obturador e a captação da imagem pelo sensor. Em alguns modelos, a diferença de tempo pode chegar até mesmo a um segundo inteiro.

dSLRs: com uma câmera profissional – ou semi – você já terá condições de explorar as cenas rápidas de forma mais criativa, o que normalmente significa imagens inéditas e, portanto, mais interessantes. Para isso, uma lente longa e clara – uma teleobjetiva de 100 ou 200 mm e abertura máxima na casa dos 2.8, por exemplo – seria ideal, apesar de muito cara. Naturalmente que, em certas ocasiões, é perfeitamente possível fotografar com lentes curtas – normais, ou até mesmo com grande-angulares – desde que você esteja próximo da ação enquanto ela acontece. Câmeras dSLR também sofrem de um pequeno lapso de tempo entre disparo e captação, de ordem muito inferior, na casa dos milésimos de segundo.

Situações interessantes

Esporte : provavelmente a primeira coisa que vem à cabeça das pessoas quando se fala de ação é a foto de esporte. Mas não é só no campo ou na quadra que a foto de esporte impressiona. Surf e skate, por exemplo, costumam oferecer imagens belíssimas.

foto: Miguel Schincariol

Para fotografar qualquer esporte, o mais importante é conhecer seu funcionamento. Quais posições são importantes para uma jogada decisiva ou qual jogador é reconhecidamente mais habilidoso podem servir para determinar o momento – bem como a direção em que a câmera aponta – em que o clique é feito. Em esportes individuais, conhecer os movimentos que constituem a “assinatura” de um atleta – como a preparação do velocista jamaicano Usain Bolt antes de correr, ou o desempenho de César Cielo na piscina – pode garantir uma visão diferenciada sobre cada movimento.

Vida urbana : as grandes cidades não param, e a velocidade com que cada dia passa é maior. A pressa das pessoas na rua, correndo atrás do ônibus que está saindo, serve de contraponto à tranquilidade do passeio no parque.

foto: Ana Pitteri

Performances: artistas circenses e marciais, acrobatas e dançarinos apresentam movimentos fluidos e contínuos. Graças a essa sequência de posições as recompensas de se fotografar esses tipos de atividade são enormes.

 

foto: blackdisel

 Técnica

Claro, não basta apenas olhar e apertar o botão para se obter uma boa fotografia – apesar de o olhar ser essencial – então algumas dicas sobre a técnica são bastante valiosas. Especialmente depois de mostrar o que é possível se conseguir nesse mundo veloz da foto de ação.

O panning: esta maneira de fotografar está intimamente ligada ao movimento, uma vez que depende dele para sua execução. Para realizar uma foto em panning, você deve, antes mesmo de apertar o disparador da câmera, acompanhar o movimento do assunto. Ao fazer a captura da imagem, é importante que você continue acompanhando o deslocamento, tentando até mesmo equalizar a velocidade com que você gira a câmera. Com isso, tudo o que estiver parado no enquadramento assume um visual riscado, dando ideia de velocidade, enquanto o assunto fotografado permanece quase totalmente nítido.

foto:iratxo.foto

Ciclistas e automóveis são excelentes temas para fotografias em panning, porém até mesmo elevadores, aviões e praticantes de Rapel também podem ser fotografados nessa técnica. Um detalhe importante: Caso você disponha de um tripé ou outro meio de estabilizar a câmera durante o panning, use-o. Com isso, as linhas formadas no fundo não parecerão quebradas, dando uma sensação ainda maior de velocidade.

Exposição: como sempre, a exposição é um dos principais elementos de uma fotografia. A definição sobre velocidade do obturador, abertura do diafragma e sensibilidade do sensor é essencial para uma foto bem iluminada, e serve como base para a criatividade. Em câmeras compactas – até mesmo em algumas mais modernas e que ofereçam ajuste manual – dificilmente você tem tempo de manipular os controles de forma a alterar valores sem correr o risco de perder a ação. Assim, o modo automático – normalmente chamado “esportes” – é o ideal com esse tipo de equipamento.

Para as câmeras que permitem ajustes em sistemas de prioridade (Av/A – prioridade de abertura e Tv/S – prioridade de velocidade), sejam elas dSLR ou compactas mais avançadas, esses modos são ideais para a fotografia de ação.

Em modo Av a câmera ajusta todos os parâmetros da foto de acordo com a sua escolha de abertura da lente. Para a foto de movimento, é recomendado principalmente em ambientes externos e com boa luminosidade, pois pode ocasionar velocidades mais baixas para a captura. Caso você defina um valor muito baixo para a abertura, a profundidade de campo da imagem será rasa, podendo então destacar o assunto da foto sobre um fundo desfocado. O principal cuidado nessa configuração é com o foco, mas isso é tema para daqui a pouco.

foto: tinyfishy

Se você preferir o modo Tv, seu equipamento se configura para otimizar a sua escolha de velocidade. Em termos de foto de ação, esse é o modo mais recomendado, pois oferece – dentro dos limites da sua câmera – os melhores resultados (supondo que toda a parte teórica da fotografia tenha sido observada).

Quando se fala de foto de ação ou de movimento, pressupõem-se altas velocidades para que o momento seja congelado na imagem. Independente de uma profundidade de campo mais curta – e em alguns casos menos críticos até mesmo sem considerar a quantidade de ruído em uma cena – o importante é ter aquela fração de segundo registrada. Como regra geral – que pode ser quebrada em momentos de experimentação – considere manter a velocidade de disparo próxima a 1/250 ou 1/500. Em cenas muito iluminadas é possível até mesmo deixar o obturador ainda mais rápido, em torno de 1/1000. Com esses valores, a chance de você congelar movimentos muito rápidos é maior, aumentando a nitidez da foto.

Foco: com tudo à sua frente se mexendo tão rápido, e muitas vezes mudando de distância em relação a você , é difícil manter o foco da câmera no assunto principal. Ou então você pode contar com a tecnologia. Praticamente toda câmera dispõe de sistemas de autofoco, e você tem o dever de conhecer seu equipamento bem o suficiente para usá-lo a seu favor.

Em câmeras compactas, o autofoco funciona sempre do mesmo jeito. Meio toque no disparador, espera o quadrinho verde, dispara. Percebe agora por que elas não são muito indicadas para fotos de ação? Até o foco acontecer, o movimento que você queria já aconteceu, muitas vezes. Mesmo assim, tente. O pior que pode se passar é você ter praticado bastante o controle da exposição com seu equipamento.

Já as dSLR oferecem uma gama maior de possibilidades. Desde o foco manual – que não é o ideal para esse tipo de fotografia – até o autofoco contínuo, provavelmente é a melhor opção sempre que for fotografar esporte ou outros tipos de ação. Com ele, a lente estará sempre ajustando o foco, “seguindo” o tema do enquadramento.

Mas existe mais uma coisa a regular na sua câmera antes de confiar cegamente no sistema de autofoco: o ponto de interesse. Dependendo do modelo da sua câmera, você tem de 11 a 56 pontos de interesse para foco, podendo selecionar desde um único ponto até um grupo destes para definir para onde a “atenção” da câmera deve estar apontada. Por experiência, pode-se dizer que o ideal é trabalhar com o foco em ponto único e central. Dessa forma, você sempre estará com o autofoco contínuo de sua câmera funcionando em relação exata com aquilo que você está observando.

Alguns fotógrafos preferem trabalhar com mais de um ponto de foco, selecionando as opções conhecidas como “matriz de foco”, em que uma área de atenção é delimitada, ao invés de um único ponto.

foto: limconcon

Nessa regulagem, tudo o que se destacar nessa área será procurado pelo foco. A matriz de foco é mais interessante para esportes individuais e outros tipos de ação com menor número de participantes. Outra opção – só válida para quando a ação acontece muito longe, como no caso da fotografia de surf e outros esportes desse tipo – é ajustar o foco da sua câmera para o infinito. Como a distância é grande, tudo o que estiver posicionado a partir de um determinado ponto estará focado corretamente.

Pratique!

Se você quer realmente boas fotos de ação, é muito importante praticar sempre. Além disso, conhecer fotos do estilo também serve de referência. Use o Flickr, o Olhares e outros sites do gênero para conhecer o trabalho de fotógrafos – famosos ou anônimos – e buscar inspiração para suas próprias imagens.”

Dicas e truques retiradas do site http://www.tecmundo.com.br

Bons cliques!

Técnicas de Composição – precisa de dicas?

Nos meus estudos sobre fotografia comprei alguns livros e manuais que me ajudam a entender melhor esta arte.

Em um deles estudei bastante sobre a composição das fotos – um dos itens mais importantes para conseguir grandes imagens. Claro que existem técnicas e dicas mais conhecidas, como a regra das linhas, a regra dos terços e pontos de ouro  etc.

fotografia: Art Wolfe

É importante conhecer e estudar bem cada uma para poder tirar proveito delas na hora de compor sua imagem e registrar o momento. Mas existem algumas dicas que ajudam bastante no momento em que está olhando pelo visor da câmera, pronto para apertar o botão e congelar a imagem no tempo. Vamos a elas:

1. Plano de fundo: quando enquadrar uma foto, preste muita atenção ao plano de fundo. Um bom fundo pode melhorar o assunto e enfatizar suas características ou pode transformá-lo, tirando o foco do que é importante. Prefira sempre fundos neutros ou desfocados quando o 1º plano for mais importante.

2. Detenha-se no SIMPLES: as composições mais fortes são as que passam a mensagem rapidamente.

3. Personalize: pergunte-se o que o levou a apontar a câmera para aquele lugar/pessoa e atente-se ao que é relevante… assim você estará contando algo com a imagem e não apenas registrando.

4. Observe o recorte: quando fotografar pessoas nunca corte a imagem nos joelhos ou tornozelos. Assim como ao fotografar paisagens procure equilíbrio nas linhas e nunca fotografe com a mesma proporção de céu e terra (ouse!).

5. Números são importantes: quantidade ímpar é visualmente mais interessante do que par. Triângulos são mais dinâmicos que quadrados ou retângulos… o 3 é um número mágico na fotografia!

6. Eleve seus objetivos: ao acordar pela manhã acredite que as suas fotos de hoje serão as melhores que já tirou. Busque sempre seu melhor, todos os dias!

7. Estude os mestre: reserve sempre um tempo para a contemplação da arte da fotografia visitando os mestres: Art Wolfe, Ernst Haas e William Albert Allard são mestre da composição fotográfica. Se quer melhorar sua fotografia neste aspecto, visite suas galerias e aprenda… Outra boa forma de aprender bastante é visitar sites especializados em fotografia e conhecer o trabalho de outros fotógrafos. APRENDER SEMPRE é essencial!

fotografia: Art Wolfe

8. Evite clichês: imitar fotos é importante para o aprendizado, mas não se contente com isso. Sempre tente usar tratamentos novos, lentes diferentes e ousar nos pontos de vista. Procure criar fotos mais artísticas do que as que produzia ontem.

9. Faça muitas fotos: sua primeira foto raramente será a melhor. E como hoje em dia podemos nos dar ao luxo de fotografar até completar o cartão de memória, não economize! Teste os enquadramentos, as linhas e o assunto de diversas maneiras, observe e tente, tente, tente…

10. Sempre carregue uma câmera: quanto mais você fotografar, mais ficará familiarizado com seu equipamento e com os resultados obtidos. A experiência é muito importante no aprendizado. Se não puder carregar seu equipamento profissional para todos os lugares, não abra mão de uma câmera compacta, que poderá oferecer outras possibilidades de registro e novas experiências.

Baseado no guia: A técnica fotográfica, Editora Europa.

Bons cliques!

Efeito de fundo desfocado na fotografia

Uma das coisas que me fez partir para fotografia profissional foi o efeito de fundo desfocado nas fotos… sempre amei este efeito!

Aquelas fotos em que somente o assunto principal aparece em foco e o restante da foto com a aparência borrada sempre foi minha paixão!! E como conseguir este efeito? Claro que se você possuir uma câmera compacta e automática dificilmente conseguirá obter um efeito satisfatório, pois nas automáticas a programação busca sempre um foco infinito e não é possível alterar configurações básicas.

Já se você possuir uma câmra SLR poderá praticar este efeito e terá bons resultados, com certeza.

foto com efeito de fundo desfocado

No blog “Dicas de Fotografia” Claudia explica como utilizar a distância focal e a abertura do diafragma para obter este efeito. Replico abaixo suas observações:

1. Distância focal

Quanto maior a distância focal de uma lente, ou seja, quanto menor o ângulo que a lente alcança, menor será a profundidade de campo. Isso faz com que focalizar no nosso assunto com uma grande angular produza menos desfoque do que focalizar nosso assunto com uma teleobjetiva.

2. Distância entre assunto e lente

Quanto mais próximos estamos do assunto fotografado menor será a profundidade de campo. É por isso que macrofotografia tem um DOF muito curto: estamos super perto do assunto. Quanto mais próximo você estiver do assunto, mais desfocado ficará o fundo.

3. Abertura de diafragma

A abertura do diafragma também é um ponto super importante na hora de desfocar o fundo. Se estivermos usando uma abertura de f/1.4 o fundo ficará muito mais desfocado do que se estivermos usando uma abertura de f/11. É claro que só ficará em foco o assunto aonde estamos focando, sempre. A diferença é que com uma abertura maior o fundo irá ficar mais embaçado ainda do que usando uma abertura menor.

4. Distância entre assunto e fundo

Naturalmente a distância entre o assunto e o fundo também faz uma grande diferença. Quanto mais longe o fundo estiver das áreas aceitáveis de foco da profundidade de campo mais desfocado ele ficará!

É sempre bom ressaltar que hoje em dia tudo é possível na pós-produção, utilizando programas como Photoshop e outros… porém, conseguir uma boa foto na hora do clique oferece um prazer muito maior (além de resultados melhores e menos trabalho, é claro).

Bons cliques!

Como fazer uma busca de fotos no Flickr??

Encontrei este post publicado por Marina Santa Helena e gostei muito… aproveito para postar  aqui. E convido para que visitem minha página no Flickr… ultimamente anda meio abandonada, mas sempre tento compartilhar com meus amigos boas fotos neste maravilhoso universo da fotografia…

“Sabe quando você PRECISA encontrar uma imagem que só existe na sua cabeça? Tipos…você sabe a cor que ela tem que ter, sabe mais ou menos a temática, mas não seria capaz de descrevê-la em uma simples busca no Google ou no próprio Flickr. Pois é disso que vamos falar hoje.

Então tá, o Flickr tá aí cheio de imagens para quem ama fotografia, quer conhecer o trabalho de novos artistas ou mesmo se você quiser só guardar aquelas suas fotos pessoais. Mas muita gente não sabe como fazer buscas mais eficientes por ali, por isso vou indicar três ferramentas que podem te ajudar muito a encontrar aquelas imagens dos sonhos.

Compfight

É a ferramenta mais simples, mas que mais amo. Faz o serviço de busca por palavras-chave. Por exemplo, você que achar imagens de flores, digita lá que vão aparecer centenas, milhares, milhões delas. E dá para configurar para ver apenas imagens com Creative Commons, isso significa que você pode usá-las em seus trabalhos (desde que dê créditos ao autor).

Alguém aí na multidão provavelmente vai gritar: “Tá mas qual a diferença entre o Compfight e a busca normal do Flickr?”.

Bom, a principal é que o Compfight é LINDO! Vocês provavelmente vão rir da minha cara, mas acho que é uma ferramenta elegante, que organiza as imagens de uma maneira simples e clara. Dá uma felicidade secreta de ver aquele monte de foto (com o mesmo tema) surgindo ali na sua tela.

Aliás isso me lembra que outra vantagem do Compfight é mostrar mais imagens ao mesmo tempo que a busca normal do Flickr, são centenas delas ao mesmo tempo. Ou seja, você não precisa mudar de página muitas vezes nem para ver as imagens, nem para configurar a busca.

Multicolr Search Lab

Digamos que deu um branco total na sua cabeça e você não consegue pensar em nenhuma palavra-chave para jogar no Compfight e achar aqueeela foto. Mas sabe que queria uma imagem assim meio azul, meio roxa, meio amarela…para combinar com o tema da sua apresentação em Powerpoint.

Não se desespere, querido amigo, o Multicolr Search Lab tá aí para salvar a sua vida. Basta entrar lá e selecionar até 10 cores, que em alguns segundos a mágica acontece a vão aparecer centenas de imagens com as cores certas. A vantagem é que todas as fotos que aparecem lá estão com Creative Commons. Legal, né?

Retrievr

Tá, o problema agora chegou a um nível hardcore: você está trabalhando por doze horas seguidas, tomou 2 litros de café e o cérebro tá falhando. Tudo bem, eu já passei por isso.

Nessas horas, você não sabe que palavra-chave usar no Compfight, nem mesmo tem idéia de que cor selecionar no Multicolr Search Lab. Mas ainda assim você PRECISA achar aquela imagem foda para usar na apresentação, no trabalho da escola ou na matéria que está escrevendo. OK, vamos lá.

Certamente você já ouviu a frase “Entendeu ou quer que eu desenhe?”, né? Pois aqui, como já não estamos entendendo mais nada, vamos desenhar. O Retrievr te permite fazer um desenho tosco, tipo do paintbrush, e busca imagens relacionadas aos traços. Se você for menos tosco, dá pra subir uma foto do seu computador ou mandar o link de uma imagem que queira referenciar lá. O Retrievr reconhece as formas e as cores da imagem e consegue buscar outras que estejam relacionadas a ela. O único cuidado a se tomar é que nem todas as imagens têm Creative Commons, então, nada de sair roubando todas que aparecem por lá.”

Bons cliques!